quarta-feira, 6 de maio de 2009

With a little help from my friends

Estava desanimado. Pensando em largar o blog, dedicar com mais atenção à minha banda. Manter um blog é dose. Ainda mais quando se faz isso sozinho. Mas, eis que surge no meu e-mail o prometido texto feito pelo Régis, do Somata, sobre o novo CD da Maquiladora. Me deu um ânimo pra seguir em frente. O texto ficou foda. Valeu, Régis.


Régis (ilustra by Fukuda)

E com vocês:

Parturition
by Regis Vernissage

É com enorme prazer que aceitei de bate-pronto o convite de nosso ilustríssimo Zelenski para traçar algumas palavras sobre o tão comentado primeiro CD cheio de uma das melhores – senão a melhor – banda da indie scene do Alto Tietê da atualidade. O disco chama-se Parturition, das meninas da Maquiladora.


Parturition, o primeiro rebento cheio das Maquilas. É um disco que destila energia rocker em 13 petardos rasteiros (nenhum maior que 3 minutos, no melhor Ramones-style, cravando a totalidade do CD nos 30 minutos), que pegam o ouvinte menos avisado pela orelha, rodando-o como uma camiseta suada e arremessando-o a distância como se fosse uma serpentina carnavalesca, tudo isso no melhor espírito rock puro, cru, sincero em sua verdadeira essência. A Maquiladora faz hoje o som que muito marmanjo queria fazer, mas não consegue saca?

A viagem de 30 minutos ao mundo das guitarras avassaladoras de Parturition começa com a breve instrumental Keep On, de riffão cabuloso, curto e grosso, que já soca o objetivo delas na cara do ouvinte. Scenter Dog - velha conhecida e ótima para stage divings, como diria alguém - destaca de cara a potência vocal de Thania D! (sim, ela canta pra caralho!), onde encontra-se a impossibilidade de ficar indiferente ao mantra proferido por ela (some lord from anywhere, please help me understand, some lord from anywhere... i lose my faith). Sem descanso, a guitarra onipresente da guitar-heroin Thais Naomi puxa a porradaria sonora que atende pelo nome de Too Much Wine, fazendo o ouvinte correr pra geladeira na esperança de alguma garrafa estar ainda cheia, para então secá-la e questionar sobre posturas e condutas não condizentes com o bom comportamento humano. Fudida e absolutamente recomendada para o ato de headbangear. Na sequência, Monster traz o baixo saliente, preciso e roxo da Nynona em sintonia com a bateria singular e potente da Andrea Marques (que também escreve com maestria as letras, diria eu praticamente um Neil Peart de saias!), tudo isso com um tempero cheio de climas e passagens. Até aqui, o ouvinte já sacou que é impossível controlar este monstro vivo chamado Maquiladora. E quando os ouvidos pousam sobre How Can I Call You?, tudo aquilo que se imaginava ouvir pela frente cai por terra. Criativa, esplêndida, barulhenta, compassada, gentil, irônica, maravilhosa, deliciosa. Desde a primeira vez que escutei tornou-se uma das minhas prediletas. E estamos ainda rumo ao 13° minuto do CD. Já temos aqui a melhor seqüência de abertura de CD dos últimos tempos.

Sem deixar o pique cair, somos presenteados por Full Of Nothing, que retrata com sabedoria as pessoas que sequer olham em nossos olhos, temperada por um instrumental viajante de nuance calma inicial ao barulhento solo bangeante do final, Prepare The Make Up And The Guns que relata a capacidade de aceitarmos ou não os caminhos que somos capazes de moldar em nossa própria existência, através de ações naturais, não forçadas, simplesmente da forma que elas aconteçam, Freedom que é quase um power-metal vestido de uma literatura quase punk com uma sonoridade quase grunge e Butterflying que nos remete à melhor fase do garagem independente americano circa ’90 onde a imagem principal disserta sobre a intenção das Maquilas de dançarem como asas de borboletas quando morrermos.

Na reta final, Big And Fat Heads chega em versão regravada (como também os outros sons que faziam parte do primeiro EP), que pareceu impor uma força maior à música. Enquanto elas teorizam sobre ajudar os cabeções a encontrar alguma diversão, nós já a encontramos e chama-se Parturition! Wow! Depois, Maybe They Were Right condensa uma referência proto-punk que carrega consigo uma das frases mais bacanas do CD: “maybe I was blind, maybe I was blind, maybe I was blind or sedated”. Foda. Won’t Give It Up é outra porrada que aparece regravada apenas para relembrar que elas não vão desistir dessa história toda nem fudendo, que elas podem socar e até morder, mas não podem ver sangue, portanto cuidem delas rapazes! E pra fechar essa viagem punk-metal-guitarreira a 3.200 milhas por hora, elas nos enfiam goela abaixo sua postura “sou mais eu” (que alguns diriam riot-girls, mas não vem ao caso), onde de nada adiantará não aceitá-las, reclamar delas ou mesmo não ouví-las, pois elas irão nos socar, chutar e calar nossas bocas com On My Way, petardo final que nos deixa com gostinho de: “ué, acabou?”.

Único ponto negativo foi a não inclusão de Rise N Grow que fazia parte do primeiro EP delas e é outro puta som. Só isso.

Parturition foi gravado durante o ano de 2008 no Estúdio Overdrive (celeiro de música boa em Mogi) pelo André e produzido e lançado há pouco tempo pelas próprias meninas, sem muito estardalhaço. A arte do CD é de autoria da Thais Naomi, que além de guitar-heroin ainda tem um traço foderoso de animal!

Long Live Maquiladora... Andrea, Thais, Thania e Nyne possuem um futuro iluminado pela frente! E foda-se que foi um PARTO pra ele ficar pronto, o resultado ficou mortal!

***

Agora sou eu, Z, falando de novo. E divulgando, não percam:


Mogi saindo de Mogi.

Abraços a todos!

13 comentários:

Dan disse...

Pô, to ansioso pra ouvir esse play aí! Se estiver na pegada que elas tocam ao vivo, segura a vitrola!

Abraços

fernando lalli a.k.a. bôe disse...

Disco mais chiclete de 2009 até agora. Só ler os tútulos e as músicas já tocam na minha cabeça. Moças que sabem como fazer um hit.

VAI MOGI, CARALHO!!! =)

Regis Vernissage disse...

e me comprometo desde já com este espaço a fazer um textinho sobre o breve "sounds of the city you love", de uma outra banda mogiana aí, assim que for lançado!
=)

Zelenski disse...

Opa, estou ansioso por sounds of the city you love e pelo texto do Régis. Quero os dois rs.

Valeu mais uma vez, Régis, pelo texto.

Naandazz disse...

Esse filho em forma de texto de meu parceiro é muito bom, e ele tah tão orgulhoso dele, neh?

Camilona disse...

PUTAQUEPARIU!

Mano eu escuto Maquila umas dez vezes por dia sem exagerar!

É genial.
As minas mandam báála meesmo.
E bem tipo: "som que muito marmanjo queria fazer, mas não consegue"...
Concordo em gênero, número e grau.

E sim, a Thania canta PRACARALHOOO.


TOCA MAYBE MYSELF POHA!!!!




Mandou bem Regêras.

Beijos.

Nyne-not. disse...

Tô emocionada com esse post...
sem palavras...
só agradeço a todos e ao "RaggaPappa" por ouvir o nosso cd com o mesmo carinho que tivemos para gravá-lo!

"meu baixo preciso, roxo E com adesivo da magali" hahaha

beijos a todos ;*

guimotoco disse...

CD destruidor sem dúvida!!!
Vida longa à Maquiladora, uma das bandas que eu mais gosto e meu banguear e xingamentos na beira do palco do show delas nunca cessarão!!!
;P

André disse...

São poucas as coisas na vida que a gente se orgulha de verdade.

Posso dizer que as coisas que mais me orgulham, são alguns CDs que tive a honra de participar do processo de gravação. Coloco na lista dos "Top-Orgulho" o primeiro EP do Hierofante, Accidents, Somata, Motocontínuo, e claaaaaaaaro, quase que principalmente, esse do Maquiladora!!! É genial o que essas meninas fazem. Esse CD é daqueles que vc coloca pra tocar e ele roda umas 6, 7 vezes seguidas, sem cansar..... E olha que são vários sons heim!!! Rock despretensioso, honesto, pesado e fortíssimo. Coitado de 95% dos marmanjos perto dessas meninas! Sem zoeira, é o melhor CD de uma banda feminina que já ouvi na história. Citem algum outro nesse nível, por favor.

Régis, animaaaaaal seu texto heim!!! Cara, vc realmente tem que se orgulhar dele... Isso sim é uma puta resenha de álbum!!! Perfeito!

Olha, tudo bem que o CD chama Parturition, mas de parto esse trampo não teve nada. Saiu em cerca de três meses. Tem bandas, próximaas até, que demoram dois anos ou mais pra lançar um trampo!!!! Foi uma proeza ter saído em tão curto tempo.

O Maquiladora tem alguma coisa especial... Alguma coisa maior tem que acontecer !!!

tny disse...

AHá!... fiquei muito contente com o texto, Régis!... valeu por todas as considerações bacanas!!!...
Só trocamos a cor da capa... pra variar "adoramos fazer mil versões" de capas...rs... mas o conteúdo continua o mesmo...
falando em conteúdo, tenho que agradecer ao André tb pela paciência e por não ter ficado com "muita" raiva de mim por eu ter enxido tanto o caso dele pra mixar um milhão de vezes...hauhauhauhauahuahua...
no fim... é isso aí... bora fazer o som que ele não pode parar...
enquanto a algo grande... as coisas pequenas vão acontecendo e juntas são um coisão grande!...XD td depende do ponto de vista, néh... mas estamos todos na correria graças a Deus pq o que não pode é parar heim!...
como diz a Thania "vamo que vamo"!
:)

abraço.


valeu Z e td mundo! ^^

*Thais Naomi

Thania disse...

uhuu!! =D

Valeu queridos!

Valeu Régis!!!

Ps. Zelenski, não feche o blog, não! Solicite uns colboradore saí... que nem o Régisrock! Esse blog é um canal imoportante pra unir as pessoas e pra ampliar as idéias!!! ;)

Bjs!

Thania disse...

Puta!

errata:
colboradore saí: colaboradores aí.
imoportante: importante.

rs!

André disse...

Realmente Zê... não feche o blog não.... Tem sido umas das paradas mais representativas nesse momento da nossa cena (ôôô palavra incômoda).
Cara, se precisar de colaborador, pra qualquer coisa, me ponho a disposição!!! É só jogar qualquer bucha na minha mão que vou fazer com prazer!!! Vamo movimentar essa parada!!

PS: Pô Thaisêras.... fiquei com raiva zero de vcs meu!!! O loco, nem pense nisso!!! Gravação de CD é assim mesmo, a gente quer refazer 1 mihão de vezes. Pq vc acha que o CD do Give me ainda não tá pronto???? Além de preguiça e um pouco de falta de tempo, o principal fator é indecisão e incerteza se tá bom ou não. Definir a sonoridade de um play é dificílimo. Terminar um trampo é difícil oooo.... hehehehe...