domingo, 22 de março de 2009

Dançamos pra valer

na noite do Cor-Séría, Colettive e DJ Watercress na Divina Comédia

Nesta sexta, ontem, 20/3, rolou Cor-Séría, Colettive e DJ Watercress na Divina Comédia. E posso dizer que foi uma noite bem bacana, cheia de amigos e com algumas lebres levantadas sobre a cena. Vamos ver como foi.

A começar pela discotecagem do DJ Watercress. Como já viram ontem e no Cuba Café, no dia 7 de março, o DJ Watercress é o Alex, ex-Selenitas. Ele fez todo mundo dançar com o indie dançante (Dragonette, Killers...), alternativo (Weezer, Sonic Youth), 80's (Madonna, Cindy Lauper), trash (Rita Cadilac e Gretchen), e muito mais. A galera, inclusive eu, dançou em massa.

DJ Watercress

A primeira banda a entrar no palco foi o Cor-Séría. Não posso falar muito de como estava o som e a performance, pois faço parte da banda. De resto, tocamos todas as músicas de nosso repertório, pela última vez fizemos cover de Breaking the Broken, do Sparta (quem viu, viu, quem não viu, já era rs) e, de inédito, tocamos Anjo Bêbado, da extinta banda Silente.

Cor-Séría

E não faltaram comparações do Daniel ao Ian Curtis. As fotos provam isso . Falando em foto, todas as fotos da noite vocês conferem no meu Flickr. Agradecimentos mais que especiais ao Felipera, do Accidents, que tirou as fotos para nós. Valeu grandão.

Depois de mais um set do DJ, subiram ao palco os amigos do Colettive. Estava com saudades de vê-los, pois não pude comparecer no último show deles, na inauguração do Cuba Café. No show de ontem, houve alguns desencontros, equalização estava um tanto confusa, mas ainda assim foi muito bom vê-los tocar.

Colettive

Uma conversa minha com o Caio, do Conte-me uma Mentira, me fez abrir os olhos para aspectos interessantes. Primeiro sobre o próprio blog. Ele me disse que gosta do que faço aqui, porém, acha que sou muito "em cima do muro". E tenho que concordar que sou, eu, por fazer parte da cena, acabo sempre sendo otimista nos resultados dos shows, o que, nem sempre, são perfeitos. Falta criticar quando se precisar criticar (mesmo eu já tendo experiências ruins a fazer críticas a eventos). Ele mesmo disse, em relação a bandas que não aceitam críticas: "Quer que todo mundo elogie seu som? Então toca só pra sua mãe". E eu concordo.

Depois, sobre a discussão da cena. Pois eu venho tentando gerar discussões pela web sobre esse tema, pedido para que as pessoas participem e tal. Assim, ele me falou que prefere não discutir via comentários no blog ou fotolog, mas sim vindo conversar, trocar idéia, que pode ser válido da mesma maneira ou ainda mais. O que é ótimo também e que também concordo. Só acho que não podemos nos calar e ver o bonde passar, seja pela internet ou pessoalmente.

Por fim, não posso deixar de citar que nesta mesma noite rolou o, infelizmente, último show do Mentecapto. Vou falar com o pessoal que foi, para postar aqui o diário de bordo deste acontecimento emocionante. Mentecapto, pra mim, era a melhor banda da atualidade mogiana.

É isso.

Por Zelenski, ao som de Shitdisco.

80 comentários:

Aline Baliberdin disse...

Gostaria de escrever uma sugestão, não um comentário.A minha sugestão é que seja divulgada uma entrevista com o Caio Amaro. Afinal tudo que se conhece por (cena) Rock'n Roll de Mogi, foi criada por ele. Não há ninguém que entenda melhor do assunto,e sei que ele tem muito pra dizer sobre o que foi e o que será desse movimento.
Ta aí Z, minha humilde opinião...
beijos...

Zelenski disse...

Olá, Aline.

Concordo que o Caio e o Poranduba tenham feito muito para Cena. Será muito bacana e se encaixa com a proposta do blog uma entrevista com ele.

Mas ainda assim, acho que é válido lembrar outras frentes e ações que ajudam e formam a cena, como o Campus VI (infelizmente rolando menos som hoje em dia), o novo Cuba Café, não só rolando Rock, tendo direito a grafite, discotecagem e mais, o Divina, rolando banda independente todo final de semana, esse próprio blog, que, na medida do possível, tenta falar o que rola por mogi da cena, a Nona Arte, que agora vai começar a ter eventos, e as próprias bandas que resistem e seguem tocando.

Obrigado pela opinião e participação :) Vou agilizar essa entrevista

Regis Vernissage disse...

Minha visão é que a Poranduba foi essencial para "organizar" a cena que estava até então bem fragmentada... todos os projetos feitos desde o "nova cara da cena" no já longínquo 2005 (se não me engano), ajudaram na consolidação de Mogi como um roteiro que conta hoje com a Divina, com o Campus, o Cuba e agora a intervenção (necessária) da Nona Arte... e lá se vão quase 5 anos lutando por aquilo que acreditamos... com erros e acertos, criticando e sendo criticados, sempre tirando $$$ do bolso e nunca recebendo nada em troca, apenas a satisfação de fazer parte e ajudar a construir um todo...

Alex disse...

A cena mogiana existe de longa data, antes mesmo de qualquer proposta 'linear' como alguma produtora cultural. Digo, pois me lembro bem da correria tamanha que era, quando por volta de 2003 muitas bandas da região de juntavam para tocar aos finais de semana nas escolas estaduais aproveitando-se que as mesas encontravam-se abertas por conta do Programa Escola da Família.
Isso digo com propriedade pois fiz parte, mas lembro que quando era criança ver o meu irmão fazendo correrias e indo a muitos sons bons em Mogi que gente de bem e super da cena, como o Pilão, organizavam no antigo Pesqueiro.
Mogi constantemente faz a linha Seatle, vem muita coisa boa e ruim, inclusive, mas o bom disso tudo é a vontade de mudar e não o tipo ou estilo de música feita.
Viva a revolução musical!!!

Zelenski disse...

Eu imagino que o que segura hoje a cena mesmo, Régis, é a nossa vontade de fazer barulho, de produzir conteúdo, cultura. Como disse, o $$$ nem sempre vem, isso quando não temos prejuízo (bem sei do que rola nos eventos, em relação a participação de público e patrocinadores inexistentes, tampouco apoio do poder público - e assim compartilho a angústia).

E eu também estava com o Alex nesta época de correria atrás de espaço e de aparelhagem. Época em que juntávamos Flegma, Dielo Trouda, G.A.T. e Selenitas (bandas, inclusive, que participaram de eventos da Poranduba) e fazíamos por conta os shows e divulgação (não sei se alguém lembra do Fórum de Expressão, organizado de forma independente por nós, na UBC, apenas para citar um exemplo).

E, paralelo à gente e anteriormente também, como o Alex falou, rolava e rolou muita coisa boa, bandas ótimas, algumas que nem existem mais.

Hoje, o lance está mais organizado sim. Mas a cena sempre existiu. Mais fraca, mais forte, quase sumindo, aparecendo pra caramba. E estamos vivenciando hoje um período mais organizado, na minha opinião, graças ao Poranduba, ao Campus VI, ao Divina, ao Cuba , às bandas, ao (pequeno) público e, principalmente, às pessoas interessadas em fazer a cena andar, independente de estar em um grupo ou não.

Viva a produção de cultura!

André disse...

Acho ótima essa discussão sobre a cena. E acho sim importantíssimo discutirmos ela também via internet. Conversar sobre isso com certeza é melhor, mas quando deixamos nossa opinião aqui na rede, mais pessoas vão ler e discutir, e o assunto tende a crescer cada vez mais! Acho ótimo! Estando num blog como esse, as idéias ficam registradas com mais firmeza!
Uma opinião para o blog: Eu adoraria ler entrevistas em todas as postagens. Sei que é um trabalhão, mas com certeza tem um monte de gente que poderia e gostaria de colaborar com essa iniciativa! Entrevistas com bandas novas, bandas antigas, apreciadores, donos de casas, acompanhadores da cena, etc, seriam ótimas pra gerar uma grande discussão e entendimento sobre tudo o que tá rolando em Mogi! Tem muita coisa que acontece e que já aconteceu que ninguém sabe, soube e nem vai ficar sabendo, e que poderiam ser bem interessantes! Se quiser pode contar comigo Zê !!!
Abração!!! Vamo crescer esse blog rapaz!!!

Felipe Lima disse...

Particularmente eu não gosto de entrar em listas de discussões, e ainda acho cansativa esta proposta, sendo que cada um tem seu ponto de vista.
Não quero que isso vire confronto pessoal, mas eu não concordo com a afirmação da Aline Baliberdin sobre ,"Afinal tudo que se conhece por (cena) Rock'n Roll de Mogi, foi criada por ele".
Também não retiro o mérito pelo trabalho realizado, mas será que a cena só existe há cinco anos, e será que figuras como Pilão nunca existiram e nunca fizeram nada pela CENA?

Será que é disso que as bandas mogianas realmente precisam? De um BIG festival no quintal de casa?

Zelenski disse...

Felipe falou bem. Tem muita coisa acontecendo em em Mogi há anos.

André disse...

Realmente essa afirmação da Aline não tem fundamento.
É óbvio que Caio e Poranduba foram de vital importância pra um certo momento da cena toda. Algo foi feito para mudar, e em alguns aspectos mudou.
Mas são anos e anos que ela já vinha acontecendo. Eu que não tenho tanta idade, acompanho a cena de mãos dadas desde 1998. Nessa época o Feliperas já tava no esquema tb, e muitos outros que ainda existem por aqui. Fora a galera que vem antes disso, a galera do Pilão, do Andy, e tb aaantes disso, o pessoal do Road Rising, Evora, Aleister C.
A cena de Mogi existe a muito tempo, ninguém a criou. Ela foi se reinventando. Assim como tudo na vida, ela teve seus altos e baixos, passeou em diversos estilos, e creio que agora vive de loooonge seu melhor momento. De 98 a 2002, o que mais bombava em Mogi era o Heavy Metal, com bandas como Slaves, Wishmaster, Macabre Agony, Ritual, Dracma Fierce, Hawthorn, e outras que esqueci.
De 2000 até sei lá quando bombou a galera do FUD, do Noupe, e outros que não me lembro. E foi depois de tudo isso que a Poranduba chegou. O que estamos vivendo agora é um quinto ou sexto momento da cena que algumas pessoas do meio já viveram.

Regis Vernissage disse...

e este é o grande barato de se fazer parte da cena!! ela está sempre se reformulando, se reconstruindo, se reorganizando, revendo seus conceitos, agregando conhecimentos e acima de tudo aprendendo com velhos erros... não sou nenhum dono da verdade, sou apenas um grande entusiasta dessa parada e sempre farei o que for necessário pra ajudar a colocar a cena de mogi em evidência naquele pequeno futuro livro (virtual ou não) que contará a histótia dessa bodega toda...

Mentir disse...

Quando vi esse comentário, pensei tanta coisa, mas não consegui escrever nada, apenas me encontrei na minha conclusão: Muita coisa aconteceu antes do "Poranduba". Existiu a Toca, o Pesqueiro, o Beer House, o Camelot, o lounge beer, o Daniel e a Midia Alternativa. Rolava show até em lava-rápido, e muitos outros picos que existiram apenas para 1 show, depois, nunca mais. Shows nas casas dos outros, sitios, exposições, enfim...Até depois do mesmo, muita coisa aconteceu, como o show do lendário Joey Laly em Mogi por exemplo, o show do produtor do sonic youth. Acho uma injustiça com todas essas pessoas envolvidas, 1 unica pessoa ser coroada como o "criador".

Aline Baliberdin disse...

Causei uma polêmica ai,...rs
mas ainda assim, acredito que o Caio possa explicar muitas coisas, sobre o movimento todo. Perdoem-me a minha não abrangência nesse assunto, afinal minha linguagem é plástica, mas percebo a mudança, como qualquer um, músico ou não.
As vezes organizar o que existe é a parte mais importânte de todo o processo.
beijos a todos......

raizdamente disse...

pergunte ao Pilão sobre os delinquentes racionais. A cena era muito forte na época...era referencia de organização e união, com lugar para todos...infelizmente não vejo muito isso hoje em dia.

Fabio Rodrigues disse...

O fato é que NINGUÉM organizou a cena em Mogi, nem a criou. Afinal dentro do Rock existem diversas vertentes, cada uma agindo de forma distinta.

Se hoje vemos shows de Metal no Carmo, não é graças ao Caio, se vemos bandas de HC tocando ainda em escolas, não é graças ao Caio, se vemos pessoas vendendo os CDs de suas bandas à preço de custo ou divulgando na Internet, não é graças ao Caio e o Poranduba...isso sempre existiu e sempre existirá dessa forma, pela autonomia de diversas pessoas e pela vontade de fazer o que tem que ser feito.
Há 10 anos atras existia uma cena forte dentro do Metal e Punk/HC em Mogi, (hoje está menor), e nunca vi o Caio no meio da galera...rs.

Acho que ele tem muito a dizer sobre o Poranduba e seus feitos modestos mas importantes na cena, mas não vejo que tenha gabarito para figurar como precursor da "identidade cultural underground Mogiana".

Abraço à todos.

DIELO_IARA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
DIELO_TIAGO disse...

hahahahha! O Fábio tirou quase todas as "palavras dos meus dedos"... O pobre coitado do Caio, nem sabe que Mogi das Cruzes ja fez parte do circuito de várias bandas gringas (Los Crudos, Wojczech, Cut your hair, Attaque 77 entre outras)O primeiro show da banda ROT (umas das maiores bandas de Grind Core do mundo)que ja fez turnê na europa, foi em Mogi, e se não me engano, isso foi em 1990. O Caio ja participava da "Cena"? Eu tambem não vi isso de perto, tinha apenas 6 anos,mas eu procuro saber um pouco do que ja rolou na cidade antes de afirmar certas coisas. Acho que seria muito legal, conversar com caras como o Pilão (Sangue de rua), que junto com o Alexandre (ROT, Social Chaos, Bandanos) ajudava na organização dos eventos que as bandas citadas participaram.

Sobre o evento comentado pelo Zelenski na UBC, não só me lembro, como ainda guardo aquele cartaz horrível..hahaha...tambem tenho o cartaz do primeiro show que Dielo, Flegma e Selenitas tocaram juntos. Foi uma época muito interessante! Lembro-me bem do show na rua Ipiranga tambem! Quando várias bandas (Flegma, G.A.T, Selenitas, Dielo Trouda, Flauta Vértebra, Na bunda do Castor, Hodie e outras que não lembro o nome) se juntaram para alugar um espaço e vender os ingressos apenas para pagar o aluguel do salão, e não para bancar alguma "banda grande"! Não sei por que, mas durante um tempo isso foi muito constante na cidade. Alguem ou algum grupo (ou os dois) chamavam bandas de fora, já conhecidas, e a condição para as bandas locais participarem dos eventos, era: VENDER INGRESSOS! Ah meu dEUS, como as coisas foram parar nisso??? Quem começou com isso senhor???
Voltando um pouco a falar sobre história musical de nossa querida cidade... E agora sim, vou apontar sem medo os responsáveis por tudo que conhecemos como "Cena"... Nada teria acontecido se não fosse pelo árduo trabalho da dupla genuinamente mogiana e internacionalmente conhecida: Alan & Aladin! Que já fizeram parceria ate mesmo com João Mineiro & Marciano como segue o link http://www.youtube.com/watch?v=4pUtcGLNkdg

Infelizmente essa maravilhosa dupla, chegou ao fim após a trágica morte de Aladin...

Abraço a todos

Tiago

Santa Sofía de La Piedad disse...

Olá, por anos me senti parte disso que chamam de CENA, e isso só me trouxe alegrias, conheci muitas pessoas que tenho como amigas até hoje, bandas toscas e desafinadas que me fizeram acreditar que eu não estava sozinho no mundo, e até pessoas com quem nunca conversei que sabiam cantar minhas letras. Quer algo melhor que isso? Existe algo mais que uma CENA possa proporcionar a um músico tosco como eu? Assisto o documentário Hype constantemente e, dadas as proporções (exemplo: Exposição e IDH), não me sinto inferiorizado. É o relato de alguém que gosta mesmo muito de tocar e ouvir música própria, desconhecida e marginal.

Basílio disse...

Cena me lembra algo teatral, encenado. Pelo que li nos comentários, é o que parece que houve em Mogi, "encenação".
Acho que não dá pra deixar de levar em conta a mudança pela qual passou a sociedade nessas duas últimas décadas. Antes as coisas eram mais difíceis, gravar um cd, fazer um show...putz era embaçado. Atualmente a net (informática) facilita muito as coisas. Não é juízo de valor se antes era melhor ou agora é melhor, acho que é diferente. A coisa que menos importa é a autoria do que foi feito, não importa se foi o Pilão ou o Caio ( mas pelo menos o Pilão é mogiano, ao contrário do Caio que veio de Cuiabá há uns três anos). Não conheço os integrantes mas lembro de umas bandas que surgiram nessa época aí, "encenando" também, como o Buchada de Porco, o Camboja, o Babas and Trechous, Fugere Urbe...

Michele go vegan!

Kill disse...

Eu não gosto de me meter em discussões, nem de fazer parte de porra de cena nenhuma. Mas eu discordo da Aline, concordo com o Felipe e tô pouco me fodendo com o desfecho dessa história.
HAHAHAHAHAA

Mentecapto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mentecapto disse...

Olá pessoal, aqui é o Henrique. Estou usando o usuário do Mentecapto porquê não foi possível criar o meu. Mas também, foda-se né? rs...

Vamos lá:

O que mais me incomoda são as pessoas que desacreditam em tudo que acontece em nossa cidade, e ainda tem uma pseudo-opinião sobre a cena de Mogi das Cruzes. EU ainda acho SIM que tudo o que acontece aqui há de ser reconhecido, pois tudo que é bom e feito com honestidade acaba recebendo seu mérito, mais cedo ou mais tarde.

Tudo é muito difícil dentro do mundo da arte, mas se esta é feita com o coração (por mais clichê que isso pareça), é inevitável que renda seus bons frutos.

Fazer média vai além da minha capacidade, mas acho sinceramente o Zelenski um herói por estar presente em todos os shows, fotografando, escrevendo, discotecando, tocando e registrando tudo o que nós estamos produzindo. Quisera eu ter a disposição e o amor a tudo isso que ele mostra ter.

Aonde eu quero chegar é: se metade de nós tivesse um quarto da disposição que Zelenski tem, teríamos o dobro do que temos. Matemática pura e óbvia.

Infelizmente temos os descrentes, e esses acabam com nossos sonhos.

Zelenski disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dan disse...

Houve fases, claro. Shows organizados por muita gente diferente, sem tirar méritos de ninguem. Pô, os shows no Camelot, históricos, no Lounge Beer, seja pelo Midia Alternativa, pelo Pilão ou pelo Poranduba, todos tinham o mesmo propósito: mostra sua banda e de amigos, e assim começou o ciclo.
Acho que o lance daqui pra frente é quebrar o preconceito, e colocar na tal da CENA bandas que estão surgindo e também conquistar um público novo.
Caberia a todos nós, já que nos sentimos parte disso tudo, brigar por mais espaço também nos eventos culturais da cidade. E outra, maior qualidade de som. Merecemos isso.
E nunca esquecam, valorizem o trabalho de vocês, por mais que ninguem acredite na sua banda, arte, o que for.
Tenho certeza que toda essa discussão sairá um bom resultado.

Zelenski disse...

Caraca, rs, espero que isso não gere confusão rs

Fico feliz pra carai com suas palavras Henrique. Mesmo. E vc falou bem o que eu sinto: tudo que eu faço é pq eu gosto. Se fosse por outro motivo, o blog já teria os "Ads Google", pra eu ganhar uma grana, e teria posts pagos e tal.

Mas não é o que eu quero.

Sou a favor que a cena fique forte, pra aí sim, todos nós, envolvidos com a música e qualquer tipo de arte relacionada, consigamos viver fazendo o que gostamos.

Ou algo assim rs

Abraços

Alexandre Lima disse...

Olá amigos... tendo trabalhado com o Caio na Poranduba por alguns anos, e ainda continuaros na batalha, diga-se de passagem, sinto ter que discordar plenamente de minha querida amiga Aline...

Realmente, o Caio NÃO FOI O CRIADOR DA CENA INDEPENDENTE MOGIANA...

Muitas bandas já tocavam por aqui antes dele, muita coisa já acontecia, como já citado em posts anteriores, muitas pessoas já trabalhavam em prol da música, muitas bandas já despontavam e seria injusto com toda uma leva de amantes da música, coroarmos o Caio como o grande criador de tudo.

Obviamente que o processo iniciado por esse meu querido irmão e companheiro de trabalho Caiovisky contribuiiu MUITO SIGNIFICATIVAMENTE para o crescimento da cena (quer algumas pessoas admitam/gostem ou não) e tanto ele ,como eu e tantos outros, sabemos bem o que é nos foder pra tentar tirar leite de pedra pra fazer alguma coisa acontecer nessa cidade.

A Poranduba fez sim muito pela cena, mas não foi a única e nem a primeira.

Agora... o foda, é ter que ouvir críticas infundadas sobre nosso trabalho (Poranduba)... por favor... não vamos meter o pau no que não conhecemos... é uma regrinha básica de educação e elegância... Não vou me estender no assunto, porque sinceramente já me deu no saco... tentar provar que o que fazemos é legal, importante e significativo??? Não perco mais meu tempo com isso... O que posso fazer é simplesmente continuar trabalhando no que acredito... o resto é resto...

PS - Parabéns pelo blog, grande guerreiro Zê!!!!

Beijos, amor, sexo, e muita música a todos amigos queridos que fazem a vida valer a pena...

guimotoco disse...

Agora mais do que nunca (me sentio o faustão falando isso) deveria fazer-se então uma entrevista com o Caio, para saber mais a opinião dele em relação a cena, saber sobre o que a poranduba faz ou não faz, fez ou não fez... Alguém se candidata a entrevista-lo? Ou ainda vão ficar sentados esperando o Z fazer tudo??
;P

Zelenski disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zelenski disse...

Pessoal, para esclarecer, que veio uns amigos perguntar: "postagem foi removida pelo autor" significa que o próprio autor do comentário deletou o texto, e não o dono do blog.

Eu não deletei nenhum comentário (só dois meus mesmo, que eu havia digitado coisa errada rs). :P

É isso. Abraçøs, e mais uma vez valeu por todas as participações.

Caio Costa Amaro disse...

OPINIÃO SOBRE A DISCUSSÃO DO DIA 22 de Março de 2009 19:07

Inicialmente, devo dizer que a opinião da Aline não é a minha, apesar da nossa aproximação.

Primeiro -- Divido a minha opinião, - PORANDUBA É MAIS UMA AÇÃO NO MEIO DE MUITAS, HOJE -. Mas devo ressaltar que desistir de algo, quando se entende como importante, é fracasso do ideal, tem muita gente com força, boas ideias mas deitado na rede da preguiça, bebericando e rindo de quem luta, desejo uma boa viagem! Quando falamos de cena, falamos de organização, falamos de disposição coletiva, não são todos que conseguem desenvolver um trabalho com várias pessoas, pois vivemos uma estrutura individualista, na qual, a minha banda é melhor que a sua, ou seja, traduzindo para nosso lugar sagrado, cheio de pessoas e coisas importantes, cheio de solução e resolução: foda o meio!!...kkkk...é uma pena esse pensamento, primitivo.
Não acho que chegamos, acho que não começamos e nunca começaremos se pensarmos em epitáfios, sugiro leitura mais ampla das coisas para não matarmos nosso pensamento com alegrias tortas.

Segundo -- Quem não se importa com cena, então que não venha chorar sua vaguinha em festivais de fundo de quintal, como disseram, então que assuma sua individualidade e resolva tudo sozinho, toque para amigos, namoradas(os) e conte para os netos depois, quem sabe uma cartinha romantica para posteridade!

Terceiro -- Entendo o trabalho de uma banda como um trabalho de arte, não entendo como uma ação para apenas sublimar os probelamas interpessoais familiares, apenas para se entupir em alheios a naturza dos dedos, pés e mente.

Quarto -- Não quero ser criador de nada, quero melhor de tudo, se possível, mas respeito o melhor de tudo nos outros, entretanto é uma luta de verdades, saudável diria, sendo assim considero que o Poranduba, e diga-se passagem não sou só eu, vem pensando formas de fazer com que Mogi se torne mais uma cidade na qual desenvolva um trabalho ativo para a arte independente, bandas, vídeos, poemas etc... Limitante delinear tempo.

Quinto -- Devemos se preocupar com a nossa qualidade como ser humano, isso expressa na atuação também como músico em execução, engano achar que uma banda é isenta de pesquisa, coragem estética e conteúdo informativo, se fosse isenta, todo mundo seria beatles entre outros (imagine uma boa referencia para você)!

Sexto -- Vamos correr, quem inventou a cena foi o primeiro som do universo, alias se escreve OM, ou AUM? Uma boa discussão...kk..abraço, o que podemos fazer para melhorar nosso lugar?

Anônimo disse...

Sei que palavras públicas são medidas, mas as que, aparentemente, são particulares, uma hora chega nos ouvidos. Aparência é o caralho! PORANDUBA fez é promover a ajudar umas bandazinhas de uns amiguinhos filhinhos de papai de Cuiabá. Um monte de bosta que se alçaram entre si (poranduba e banda). Ler mais coisa, quer dizer falar a mesma língua? Se for pra falar essa língua egocentrica do me-myself-and I, eu estou fora, sou leigo MESMO!

Regis Vernissage disse...

todos aqui estão mostrando sua cara, então pq vc não faz o mesmo, caro anônimo-leigo?
discorda completamente do sr poranduba? tem todo o direito... porém sua razão vestida de fúria no post acima perde toda a razão de existir se ela não possui um rosto... aí não adianta reclamar, dear...

caio costa amaro disse...

Culhão é fundamental como a sociedade para uma banda...amigo, pode se aproximar que te explico melhor, sem fúria tola, mas antes preciso saber com quem falo...kkk...se nem aqui se mostra, que dirá no plano real, assim que se mede a vida...boa viagem e se puder venha investir seu tempo e dinheiro nesta ideia...estamos precisando!

Kill disse...

gente, sem perder a linha, gente...

chorou parou.

Anônimo disse...

Palavras não tem rosto... defendo o direito de manifestação secreta.
Se ele assim quiser, que o faça... o que importa é o peso de sua idéia. Ao mundo virtual a "cara" não faz diferença alguma.

Anônimo disse...

Combata as idéias e não se preocupe com a face. Parece que anda lendo coisas nem tão boas assim, heim menino MIMADINHO e de berço dourado. Feri seu EGUINHO terceiro mundista inconformado por não ter nascido na Europa? Não reclame pela falta de identidade, de uma vez que ainda você próprio ainda não se achou. Combata as idéias com as suas subjetividades absolutas. hahahahaha
Bananas que voam sobre as mentiras descalças de um povo sem nome. CAIO o rei das asneiras!!!! Fez nada por lugar nenhum!!!

André disse...

Nossa...quanta ira!
Pra quê?

Anônimo, te desafio a mostrar a cara.

O medo fala mais alto né?? Aaaaa....
Tem razão de ter medo. Todos aqui somos fortões bombados e Jiu-Jitsócas (sic) , loucos por confusão, porrada e discórdia. Provavelmente se vc mostrar seu rosto, montaremos uma banca de sanguinários sedentos por briga e sangue, e nosso maior objetivo da vida será te encontrar pra te dar uma lição. Assim justificaremos nossa opinião, que é a verdade absoluta!!!

Voltando a realidade, se soubessemos quem você é, e acontecesse de nos encontrarmos na rua, ou você e o Caio, ou todos que aqui postaram, essa discussão ia durar no máximo 1 minuto e meio, e ambos iam concordar que as coisas mais importantes nisso tudo, são o livre arbítrio de idéias e atos, e principalmente o respeito ao próximo, coisa que tem se perdido por aqui depois de suas postagens, infelizmente.

Amigo, somos da paz. Aliás, EXTREMAMENTE da paz. Se não queremos arregaçar as mangas e fazermos algo pela dita cena, que fiquemos de boa, olhando de fora, respeitando e incentivando com bons pensamentos aqueles que tanto correm por esse ideal. Vc não tem idéia o que essa galera corre pra tentar realizar algo! Se tivessem 10 pessoas entre as quase 400.000 de Mogi que tentassem fazer o que uns 3 ou 4 por aqui fazem, tudo seria muito diferente, e provavelmente vc estaria satisfeito. Aliás, porque tanta ira?

Abração brother. Pode não parecer, mas tamo tudo junto, hehehe!!!

PS: Sou amigo pessoal do Caio. Sabe quanto de dinheiro ele ganhou fazendo todas as coisas que realizou por Mogi??? Uns R$ 5000,00 NEGATIVOS creio eu!!! Vc conhece alguém que perderia mais do que 50 reais por essa "causa" ?

PS2: Não tenho absolutamente nada contra os praticante de Jiú-Jitsu, foi só uma citação de mal gosto que eu poderia ter evitado.

P.S.3: Caso queira trocar uma idéia depois, por ai, nos rocks das vida, de boa, sem discórdia, na tranquilidade, só trocando opiniões , meu nome é André e eu tocava numa banda que acabou recentemente chada MENTECAPTO.

P.S.4: Vc tem banda?

Abração!!!!!!!!

Zelenski, vc é foda!!!!

Zelenski disse...

Cara, o André falou bem.

Sabe, anônimo, reparei que as pessoas que elogiam as coisas, não são anônimos... isso pq não têm medo das consequências de se elogiar... mas a crítica, eu sei que é complicado. Já critiquei eventos, mostrando a cara. e gerou discussões e, por vezes, até mágoa. Mas não se deve ter medo disso. De opinar. Isso sim é liberdade de expressão.

Mas não sei. Não entendo qual é seu objetivo com isso. Se é avacalhar uma discussão saudável, produtiva, todo mundo com argumentos, isso porque tem banda, ou já oraganizaou evento, ou é público. Sabe, está no corre.

Vamos pedir uma cerveja, e conversar. Pode criticar. Todo mundo pode. Mas crítica tem que levar a algum lugar. E não empacar nada e nem tirar o foto de objetivos bacanas.

E sei da possibilidade de vc, anônimo, seguir esse comentário com alguma mensagem ofensiva. Mas pode falar. Vc vai saber com quem está falando. Com o Zelenski. Eu não vou saber de onde vem o golpe. E, então, não vai afetar em nada. Infelizmente. Todos nós aqui somos abertos a críticas.

Vamos fazer rock. E pronto.

Abraços!

Kill disse...

Gente, o anônimo não vai mostrar a cara dele porque ele vai precisar chorar pra tocar no quintal depois, e aí? Tem que preservar a integridade da banda dele, senão queima o filme, como eu...

Aliás, eu não ia falar nada não mas já que se direcionaram a mim [ainda que sem mencionarem], acho que vou verbalizar um pouquinho mais...

Eu mantenho SIM a minha opinião de que não quero fazer parte de porra de cena nenhuma, mesmo porque não acredito que exista cena alguma. Só se panelinha, agora, mudou de nome...
Mew, eu sou da época em que cena mogiana levava Immodium pra abrir show de Angra; onde Malediction tocava com Anacrônicos e, que me perdoem os que não sabem do que eu estou falando, isso sim era ser da cena... eu vi A77aque em Pesqueiro, ajudei a fazer show de Good Clean Fun e Flat Cat em Beer House... aí sim eu tinha gosto de dizer que era da cena. Era todo mundo junto no bagulho, fazendo o corre, enfim...

Voltando ao foco, não faz a menor diferença pra mim tocar onde quer que seja, eu vou sentir a mesma coisa, do mesmo jeito, porque eu AMO isso tudo... e sinto muito se as pessoas não podem sentir e entender o que faço como eu.

Sinto ter que discordar do Régis [e todos os deuses são testemunhas de como eu te amo, Ragga Muffin] quando diz que isso aqui é uma discussão sadia; é bobagem, passatempo de gente boba como eu que gosta de causar uma discórdia e se diverte vendo o quão idiotas são os seres humanos [principalmente os de ego ferido].

Aline [excêntrica querida, gosto muito] que me desculpe, mas se "tudo o que se conhece por cena rock'n'roll de Mogi" foi criada pelo Caio, então eu não sei de mais nada, nem nunca soube. Devo ter nascido e crescido na cidade errada e vivido uma outra realidade. Não tô desmerecendo ninguém, nem tenho cacife pra isso...

Por que ninguém menciona o Alê aqui? Pra mim ele é um dos principais responsáveis pela tal da "cena" [que, pra mim, continua se chamando PANELINHA] ainda estar viva... se não tivesse Divina, também não teria quintal e ninguém tava tocando era porra nenhuma.
Ele toma bica lá toda semana, é preju atrás de preju e tá lá, de porta aberta, tomando no cu porque quer fazer a porra da cidade que ele ama, as bandas da porra da cidade que ele ama, receberem o valor que merecem. Por amor à arte, por amor à música... não por amor à "cena".
E é assim que tem que ser... só se
recebe mérito por alguma coisa quando não se espera receber.

Não vai adiantar eu ficar falando nada, porque ninguém vai pensar como eu... e se pensar, não vai mudar muita coisa também, enfim...

Tudo o que eu sei é que eu sou simpatizante assumida do tal do anônimo, ele sabe o que faz, sabe jogar conforme o jogo da "cena" [onde todo mundo acha tudo, mas ninguém fala pra não estremer os laços].
Anônimo, eu adoraria trocar uma idéia com você... eu sou a Kill, vocalista da GIVE ME A BREAK! [aquela banda que ninguém lembra que existe, nem que faz parte dela, mas que quando precisa de público ou contatos, aparece sempre nas primeiras listas] aparece aí no meu msn pra gente conversar anonimamente mesmo. =)

André disse...

Ai !!!

Levei um soquinho da Kill.... E com razão, hehehehe....

Anônimo disse...

Kill, gosto pra caralho do Give me a Brek e sei sim quem são @s integrantes. A única coisa que não concordo com você e com todos os que postaram até aqui é o protecionismo, talvez motivado por algum receio de boicote, ao Alê.
Ele não se interessa PORRA nenhuma por cena nenhuma, do contrário não cobraria o que cobra, ou então faria os eventos aos domingos, onde a entrada é franca! O que ele visa sim, é a arrecadação. Vai ver os comentários dele e da namorada dele lá na comunidade do Divina (Ah, antes que o MIMADINHO apague), verá que a intenção é meramente comercial, o que ele faz contribui com a cena? Contribui. Mas é recíproco. E na verdade mais as bandas erguem o´COMÉRCIO dele do que ele contribui com as bandas, vide o valor da entrada.

Thiago disse...

Mas é um comércio filhão! As pessoas geralmente abrem comécio para ganhar dinheiro. E, Em comércio vc só tem 2 caminhos, isso é fato, ou vc ganha dinheiro ou fecha! Em relação ao q vc disse sobre entrada, acho isso uma coisa indiscutível, pois é uma política da casa. Se vc é contra, você tem toda a liberdade para não ir.-----Thiago

Kill disse...

Eu sei, Anônimo, que é bem complicado a gente ter que pagar um preço [aparentemente] alto pra se divertir quando se diz que se faz por "amor" [ou como quer que chamem... que não venham me encher o saco com essa porra de história de cena novamente...], mas eu vi de perto, eu trabalhei de caixa na Divina, você deve saber... eu vi os números, eu sei o que ele ganha e o que ele gasta e, acredite, não é fácil manter aquele lugar funcionando... eu, no lugar dele, teria subido ainda mais os preços ou fecharia de vez as portas... aliás, eu não acho o preço tão caro assim; em são paulo, as baladas custam muito mais caro que isso [sem contar condução] e muitos mogianos se deslocam pra cá [sim, moro em Sp agora] pra assistir shows medíocres, porque na minha humilde opinião, o público de São Paulo é MEDÍOCRE [claro, não pode-se generalizar...]; eu prefiro pagar 20 reais num show em Mogi, de uma banda mogiana do que pagar 5 pra ver qualquer banda que seja em são paulo.
Voltando ao foco: eu não faço idéia do que o Alê e a Karine comentam na comunidade do orkut, eu não tenho esse hábito de ler comunidades, mas prometo ir lá ler e analisar melhor sua opinião. De qualquer forma, ainda acho que ele faz, sim, muito pelas bandas. É óbvio que é recíproco, se as bandas não colaborassem, ele não poderia fazer muito também... mas, acho legal o que ele faz... ele é o ÚNICO em Mogi [pelo menos dos lugares que eu toquei e afins] que se preocupa em pagar as bandas que tocam lá... é uma mixaria? sim, é; mas ele ganha uma mixaria também... se as pessoas reclamassem menos e pagassem mais, ele poderia pagar mais também. Okay, não tô pedindo pra ninguém deixar de ser mão-de-vaca, acho válido, tamo em crise, eu não tenho grana nem pra pagar meu aluguel esse mês, mas entenda o que eu quero dizer, é muito difícil julgar sem conhecer de perto né? Não quero ser advogada de ninguém, mesmo porque nem faz meu estilo... sempre fui muito melhor como promotora haha
Enfim... continuo simpatizate à sua pessoa, enxergo sensatez.

Divina Comédia Club and Bar disse...

que maldito!...eu ja tenho uns 15 anos de vida nesse rock local(cena) ja toquei com sangue de rua(pilão), atomic ant(thiago gouvea), com a minha primeira banda o pinstripe(rica), depois veio o hy-brasil(com regis) agora o fellaccios(uns 30 ja passaram), eu sou musico, porra!!!antes dessa divina fallaccia toda!!!
um pouco mais arcaico do que tudo o que foi citado até agora, e sou acostumado a não ser agradecido formalmente,e sim esculachado principalmente pelos os que me amam realmete, acho estranho elogios, é minha essencia!
a kill disse verdades sobre um negocio por amor(levei 3anos pra abrir, fiz com meus braços, eu sofri muito pra consolidação do espaço) a minha familia da muito pra mais pra mim, pra vcs e pra cidade em relação a grana e manter o lugar aberto, do que recebe em questoes de realidade economica, o dia que eu decidir eu destruo o que criei e ninguem vai ter nada a ver com isso, é a historia ganha ou perdida da minha vida e pronto.
quisera eu ser o bom ladrão cultural, pegar a grana dos contra-cultura da cidade,e repassar para pagar o divina e as bandas existencialmente dizendo, mas isso é problema meu eda formatação o negocio nesta fucking city!...e ainda quando sou citado, sobra pra minha querida amada...tadinha, vou dar beijinhos de carinho e amor nela...
agora que ódio que eu estou dessa figura
anomima-covarde, ela não sabe o quanto de atraso de vida ela vai pagar com essas escritas...por isso apago as energias ruins da comunidade, eu não estou apostolando(apostolos) nada, eu dato letras das minhas musicas e só...
enfim segundo o babaca anonimo, que se assemelha as pessoas que agridem agente na frente do divina e correm com seus carros, ou até nesse clima de violencia verbal eu faço uma analogia aos escondindos, que não mostraram a cara, filhos da puta!fazem e não assumem! agrediram meu querido amigo, que com todas as forças eu o socorri e chorei ao lado dele tentando salvar-lhe a vida , é uma das maiores tristezas da minha vida,confesso!foda-se esse teatrinho dos egos da cidade , eu fico é pasmo com pessoas covardes que não sabem o que realmente é sério e importante nessa vida curta, e o que elas estimulam negativamente nos violentando gratuitamente...
viagem fortissima da dona aline(eu gosto ela), gosto de todos por aqui, a minha relação é individual com cada um, e eles sabem que não precisam ficar me falando, me bajulando, não combina comigo!, eu percebo agradecimentos de varias formas...
e como agradeço de coração a todos...
muito obrigado as todas bandas, dj´s, frequentadores, a tudo o que vcs viveram comigo até aqui quase 4 anos de divina...
como eu os amo e acho bom te-los perto de mim, não quero perder mais ninguem meu deus, eu faria o mesmo que fiz pelo arthur com todos vcs!!!mil vezes por noite...
mas esse truta-anomimo vai ter que ser ligeiro pra se safar da propria consciencia, covarde, ataca donzelas indefesas...
suma! anonimo-covarde-a palavra é o professar da vida!
primeiro vc geme, depois fala, aprende a escrita,o registro, e no alge da comunicação etérea e universal,vc canta!, entoa sons que só os anjos hão de entender..hummm que profundo... eu estava quieto no meu canto, e agora te considero um inimigo-covarde, me lembra de gente péssima que fodeu com muita coisa...se liga, vc esta contaminado!

Ká (vulgo "namorada dele") disse...

Já que todos que postaram aqui tem banda, então... Parabéns! Sintam-se honrados, todos que tocaram no divina são tão famosos quanto os rolling stones, tão ricos quanto a hebe e tão bons quanto queens of the stone age! (já que o anonimo leva tudo ao pé da letra)
Viu? É tudo comércio! Mas é demais!!

Agora me digam, todo mundo "desmerece" a cena rock em mogi ou só essa pessoa que acha que banda tem que tocar de graça?

E no divina tiveram ensaios abertos de 5a feira, a entrada era gratuita. E aí, alguém foi?

Caio Costa Amaro disse...

Kill e Anonimo --

Anonimo: vou te chamar de Pavão Misterioso, já que está na postura de primeiro de mundo, na qual o importante é o argumento, (não sei de que lugar tirou isso, mas tudo bem) não vai se importar com delicado e carinhoso apelido, na europa se faz muito isso?...kkkkk
Amigo Pavão MIsterioso, respeito sua postura anonima, mas não respeito suas argumentações, sinceramente é sem base, não tenho como discutir contigo se você não tem leitura, pior que sua limitação metal não é patologica é limitação de pesquisa, se tem uma banda sugiro parar de se manifestar aqui e pegar seu instrumento e ir estudar, ou pelo menos pesquisar antes de se manifestar, é sofrido ver tanta ignorancia, a melhor coisa que faz é ser um anonimo mesmo, ou melhor um PAVÂO MISTERIOSO, pois seria ridículo para sua carteira de identidade!

Kill, em muitos momentos das nossas conversas me disse valorizava a importancia do nosso trabalho, como apenas mais uma frente para surgimento de novas oportunidades para as bandas e para cidade, pois nosso trabalho não passa disso, humildemente falando (acho que não é pouco), se hoje diz que nunca se importou com a cena porque em determinados momentos pediu para sua banda fazer parte das nossas iniciativas? E mais, porque está aqui discutindo a cena? Respeito a sua opinião, sua postura, mas tem muita gente que se pudesse viveria apenas como músico/musicista, vejo muitos talentos musicais virando funcionário público, professor de ensino público, entre outras funções, deixando gradualmente a função de músico por conta da realidade, dinheiro x pão x sobrevivencia, isso é fato não é o que eu acho. Talvez isso seja pertinente discutir, pois é justo assistirmos isso de braços cruzados? Posso até ouvir que a música é um passatempo, mas será até o primeiro filho nascer, até as pressões surgirem e então estará feita a cama do sistema, durma e sonhe com as contas...essa é a questão.

Caio Costa Amaro disse...

Mais uma coisa....Cadê aquele cena instigante, interessante de Mogi de uns tempos passados, cadê as bandas, o que aconteceu com elas, com seus integrantes? Será que tiveram que desitir porque as contas pesaram? Porque virou um sonho distante? E mesmo como passatempo, porque pararam? Em contra posição, porque em diversas outras cidades do Brasil e do mundo os mais velhos e os mais novos, hoje em dia, dividem palco? Será que ele conseguiram se organizar para continuar fazendo som? Ser músico é escolha de vida e não uma passagem adolescente!!!

Abraço aos guerreiros sem preguiça!
Leiam sobre Festivais na BRavo de Maio 2009..dica-zinha

Regis Vernissage disse...

Thiago, Alê, Karine e Caio, muito obrigado por re-elevarem o nível desta discussão (sorry kill, isso sim é sensatez)

Anônimo disse...

Minha vontade é de responder um a um, nominalmente. Começar lá em cima, ir descendo, responder às críticas infundadas dos "garotos-revoltados-mostre-sua -cara,cara", depois responder ao Caio e sua Trupe, depois responder ao Emo-emotivo Alê e sua péssima coerência textual, e à sua namoradinha que só falou em... em que mesmo? rsrsrs mal deu pra entender o que ela quis dizer, e pra finalizar, a outros anônimos que utilizaram desse recurso, e fizeram as pessoas acreditar que todos "anônimos" era um só... mas não... não era.Mas levaria muito tempo e jamais teria tempo pra gastar com isso, não que o assunto não seja relevante, mas o que está sendo escrito aqui não é. Perdeu-se o foco do assunto, o que a Aline escreveu nem se lembram mais. Agora virou ataques pessoais, indiretazinhas, provinda de mágoas de uma cena de mentira, onde um acha que fez mais do que o outro e quer ser reconhecido "o Santo Caio do Rock dos Nossos Dias" ou " Alexandre, Padrinho dos Roqueiros Endinheirados".
Não há diferença entre ser um anônimo atacando com nomes e fatos, do que um nome que manda indireta ao outro... e aí? qual a diferença entre eu ou o Caio-51 (aquele que sempre tem uma boa idéia)? A diferença é que ele não fala pra quem e de quem, manda recadinhos subentendidozinhos... vale pro Alexandre também, que se acha um pobre coitado e tãão talentoso. Fecha sua casa então e vá trabalhar noutra coisa, poor boy! Pára de reclamar das bandas e do público.Ninguém tem dó de vc pq vc é um grosseiro, mal educado, mesmo vivendo às custas de comércio, hein! Se você quer ser amado, seja amável, ao menos.
Uma coisa o Caio disse que concordei: cadê a cena? respondo, sendo eu o dono da razão (rsrsrs) Aqui em Mogi, alguém só trabalha pra tentar levantar sua própria banda, do contrário, que morra a cena.
No mais, matem-se, acreditem, discordem, concordem... nada disso mudará a mediocridade do que estamos falando.

Anônimo disse...

ehhh...caio ñ vale um tostão...é um idiota, ele quer ser vereador..uhussuhus...quem bota fé nesse cara?

Kill disse...

pois é Caio, aí é que tá... eu sempre disse que gostava da inicitiva e do trabalho de vocês, sempre quis estar envolvida no que acreditava ser uma CENA [como aquela de antigamente, que acabou porque pesou no bolso]. Acontece que, como muitas outras vezes, a ilusão se fez realidade e tudo o que eu pude ver foi a tal cena [aquela, que eu chamo panelinha]. Me desculpe mas, mesmo gostando muito da maiorida de vocês, eu realmente não me importo em fazer parte dessa cena, porque pra mim tudo isso não passa de "nem sei como nomear". É claro que muitos gostariam de viver de música, e sou uma dessas pessoas... mas a minha verdade, infelizmente, não é a que eu encontro no que dizem ser "cena". Eu não vejo união, vejo oportunismos, interesses e sorrisos amarelos. Eu tô cansada de ver gente se amando, sorrindo e dizendo que a banda de Fulano é phoda e isso, que Beltrano é genial e aquilo outro e, nas costas ter que ouvir essa mesma gente metendo o pau nos mesmos que dizia admirar.
Eu nunca fui assim e nunca vou ser... eu nunca vou fazer lobby com ninguém porque quero tocar em festival onde a maioria vai estar; se um dia eu o fiz, foi porque realmente achei que me seria prazeroso fazê-lo; mantenho tudo o que disse e, perdoe-me Régis, mas eu também sei subtender, e você não fez conhecimento do que eu referi por "sensatez"; mas depois a gente conversa disso pessoalmente, você sabe que eu não tenho problemas com isso.
E o Anônimo [seja lá qual deles for] tem razão sobre ter-se perdido o foco, mas uma coisa sempre leva à outra, né? É inevitável que se discutam pequenos pontos que não se tem coragem de discutir pessoalmente [não por minha parte, que fique claro].
Só pra concluir, não estou aqui discutindo a CENA, estou discutindo o que vocês chamam de cena. Por mero passatempo mesmo porque, realmente, eu não me importo... =]

Kill disse...

PS: acho que vou mudar meu sobrenome pra Abujamra, ai ai...

Divina Comédia Club and Bar disse...

parabêns!!! anonimo, anonima, ou que sejam mais de vinte!temos provas suficientes, pra te encher o saco de problemas!a bola é toda sua!
vc(s)ja ouviram de esgueio falar de algumas leis por ai?
Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime, ou até mesmo o Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro, e pra fechar como chave de prisão de ouro!Art. 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação...
olha, eu ja consegui usar isso duas vezes e é muito facil, e deu super certo por que alem de vc poder ganhar uma "grana" ainda a pessoa pode ser presa, ou limpar o muro do tunel do padre, e vou gritar, beijos! querida!!!
a pessoa acha que ser anonino e difamar o trabalho do outro e imputar-lhe desqualidades , vc vi alice nos pais das maravilhas?

palavras de um advogado:"Uma empresa ou uma pessoa, ao se sentir ofendida por algo escrito no blog, pode processar o autor. As conseqüências podem ser mais sérias, com pagamento de multas pesadas e, em situações mais raras, até prisão. No Brasil, há vários casos de blogueiros que se sentiram coagidos a apagar comentários ou tirar o blog do ar."enfim o z é my friend trabalha comigo o problema é dos anonimos neste caso da pra perceber claramete...
é divertido defamar a pessoa e o trabalho dela né?eles descobrem o seu ip facinho!

olha gente se o nivel das discussões não tivesse chego a tal baixo calão e covardia e pessoalidades, eu deixaria arder, e teriamos algum crescimento nas nossas vidas, mas eu tenho mais o que fazer...eu prefiro escrever agora um processo legal do que perder tempo com essa pessoa(s).
cansei dos elogios, to afim de fazer o lance ficar sério, agente vai rir horrores quando souber a indentidade do ser...
sera que vai ser preciso?ou ele vai se retratar e parar com a agreção?aguardem os proximos capitulos...
alias, z existe alguma forma de cortar do blog os comentarios anonimos, eu sou contra esse trote-virtual...
tipo aqueles de telefone lembram?quando não existia bina, pelo menos tinha a voz do infeliz...vamos as duvidas:!!!
–Então pela lei as pessoas não podem escrever no blog sem se identificar? Não seria uma forma de censura? E se o autor não usar o nome verdadeiro, com medo de represálias? Um pseudônimo, talvez?
Cynthia Semíramis – A Constituição Federal garante a livre manifestação do pensamento, mas veda expressamente o anonimato (art.5º, IV) que, em princípio, pode ser interpretado como má-fé do autor. Mas é bom não confundir anonimato com pseudônimo (nome artístico, por exemplo).ui esse golpe é ninja!
vai segurando o B.O !!!

Anônimo disse...

Perceberam que ninguem fez comentário sobre o Post?!? Serei o 1º a faze-lo...:
Realmente foi muito legal o som do Cor-Séría.... Colettive foi bom tbm, mas como vc disse a equalização estava meio confusa...mas foi bom pois eh uma ótima banda...... E realmente DJ Watercress fez toda galera dançar.

caio costa amaro disse...

Kill, me desculpe a sinceridade mas acho que em poucos momentos pudemos ver você discutindo algo que pudesse de fato melhorar algo, nunca vi muita disposição em você para assuntos mais sérios relacionados a este tema, se você acha que nosso trabalho é uma panela então ajuda com a comida que todo mundo come, problema é deixarmos para discutir isso dessa forma, quantas oportunidades você não teve para isso? Se acha que é panela é por não entendeu nada do ocorre, e outra, não sou instituição pública para ficar devendo satisfação para uma ou outra banda, é obrigação da banda mostrar que corre, mostrar um trabalho maduro, coisa que não ocorre com todas, geralmente elas não ensaiam direito, encaram de forma adolescente, sem um pingo de respeito pelo que fazem, oba oba saca!? Estou errado?! Pois é!...mas segue sua lógica e daqui alguns anos veremos qualé dessa nossa sorte, panela, ou como queira chamar!

OBS.: Ser legalzinho com todo mundo não significa estar melhorando as coisas, muito pelo contrário, tem que ter peito para dizer as coisas que realmente se pensa!

alÊ do divina disse...

gente, que bonitinho, apareceu um bom anonimo,sabe aquele que faz uma doação de milhões pra uma instituição de caridade, e oculta a identidade pra não aparecer como um bom feitor...ei-lo...
as coisas estão começando a ficar positivas por aqui, inteligentes, progressivas e respeitosas...
sera que dura?
bom, eu , caio(alias eu e vc os mais odiados pela nossa garra!), alelima, z, regis, andré e outros mais que estavam sendo difamados em seu trabalho por algo bom que fazem pela "cena",rock, ou por simples atitude de vida mesmo...podemos respirar e tomar a discussão sem os demonios da ira pessoal de algum anonimo que por "ma fé", mal sabia que as leis gringas pra blog(da existencia do anonimo)não se aplicam a terra brasilis...
alias vou falar como alê por que o divina são todos!alias o tony da gatorra vai estar fazendo seu protesto pela PAZ!HOJE, vcs vão?

André disse...

Amando ou odiando Caio Amaro e Alexandre Giácomo, se o Divina fechar e a Poranduba parar de fazer seus festivais anuais (independente de curtir ou não), a cidade morre. Portanto, ou calem a boca ou vão ajudá-los, bando de vagabundos hipócritas...

Regis Vernissage disse...

um brinde ao provincianismo quatrocentenário preguiçoso herdado de gerações que insistem em não tirar a bunda de frente da telinha pra fazer algo que justifique sua ira contra os que fazem... cheers!

Anônimo disse...

Quer saber... Vai todo mundo pra puta que %$¨#&@*!(*... E vamos fazer um som. Nem isso rola, sempre tem que ter um motivo. Nada é 100% por causa da musica... Sempre tem alguma coisa pra atrapalhar.

Mesmo assim estamos ai.

André disse...

Beleza anônimo...vamo fazer um som então.... mas quem é você ??

guimotoco disse...

fazer um som topo!!!
e se quer q seja só pela música e nada de grana, e tal, bora tocar na garagem, quintal, quartinho, etc. assim não dependemos das casas q precisam de grana pra sobreviver, ou eventos que precisam de grana pra acontecer...

Maria Eduarda disse...

Isso mesmo, façam música, independente da cena existir ou não, ser isso ou aquilo, criada por fulano, sicrano ou beltrano. Estão todos ai, não estão? Fazendo o que gostam por n motivos. Então bola pra frente que ainda tem muita coisa por vir.

caio costa amaro disse...

kkkkkkkkkkkkkk....musica é uma coisa, o termo ¨independente¨ se dá por relação mercadológica, o cara é independente quando abre mão do atrelamento com a grande indústria, fazer um som eu vou mesmo, sempre, se esse meu som terá uma configuração pública profissional é outra questão, a questão é ser ou não ser profissional com sua banda, ganhar cachê, comprar equipamento com a grana que ganha fazendo som, etc....mas topo agora tomar umas brejas e fazer um som na garagem, as só não podemos vomitar de tanto beber...kkk...é ali que surgem as melhores coisas que depois sentimos vontade de mostrar....kkkkkk...abraço a todos objetos de cena!

fernando lalli a.k.a. bôe disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fernando lalli a.k.a. bôe disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fernando lalli a.k.a. bôe disse...

"Amando ou odiando Caio Amaro e Alexandre Giácomo, se o Divina fechar e a Poranduba parar de fazer seus festivais anuais (independente de curtir ou não), a cidade morre. Portanto, ou calem a boca ou vão ajudá-los, bando de vagabundos hipócritas..."

Disse muito bem o André. Vou repetir aqui o que já escrevi em tantos relatos de viagem com o Seamus e nos comentários que faço nos blogs/fotologs dos amigos mogianos: olhem pra minha cidade, Taubaté. UMA BOSTA. MORTA. Houve "cena" [ou o que o valha] em Taubaté entre os anos 90 e meados de 2003. Peguei o final dessa fase [na cagada] graças ao povo do The Vain. Tentamos fazer alguma coisa nos shows na Faculdade de Comunicação [2004-2006], entretanto não sei se hoje há algum fruto disso que não sejam fotos boas naquele palco. Hoje, só a galera do HC-Emo tenta se re-erguer através de iniciativas como o Vale Underground, mas nem show de metal na praça rola mais. Acabou a formação de público. Porque ninguém vai. Ou não continua indo. Porque nunca deixou aquilo tocar o coração dele se não fosse devidamente polido o suficiente para o consumo da família brasileira.

Monteiro Lobato, já no tempo dele, tinha VERGONHA de olhar pra skyline Taubateana enquanto passava por aqui de trem, fazendo o traslado SP-Rio. Não melhorou nada, nem com o conceito de DIY do punk, que foi bater forte é na vizinha Pindamonhangaba [Street Buldogs, Zumbis do Espaço, College, Ophiolatry: estilos e rolês diferentes, mas todas de Pinda, cidade com não mais que 100 mil habitantes até o final da década passada].

Taubaté morreu porque se atrelou exatamente a um "provincianismo quatrocentenário preguiçoso herdado de gerações que insistem em não tirar a bunda de frente da telinha pra fazer algo que justifique sua ira contra os que fazem", como constatou Regis. Um amigo meu de infância é tenente em Mogi e me contou que a cidade se parece muito com a Roçalândia nesse sentido: que a cidade, no geral, não vislumbra "crescer" por não ter rivalidade forte com nenhum outro município. Pinda sempre teve um complexo de inferioridade fudido por causa de Taubaté, e hoje é a melhor cidade do Vale para se viver. Esta, por sua vez, deitou-se nos louros da Era do Café [Taubaté era maior que São Paulo até a década de 20, se não me engano], da riqueza das indústrias [CTI, etc], e chegou a ser a 2ª melhor IDH do Brasil nos anos 90. Daí por diante, fodeu com tudo, arraigada em seus arcadismos.

Pílula de exemplo: quando a CUT faz show do Dia do Trabalhador por aqui, traz gente boa como o Renato Teixeira. Quando o SESC faz a sua Festa Junina, traz Zé Geraldo e Cordel do Fogo Encantado. Mas quando a cidade faz show de aniversário, o prefeito chama a Kelly Key. Deu pra pegar mais ou menos a linha de pensamento? A cultura da cidade hoje está entregue na mão de um bando de incompetentes.

Cessando com a antropologia barata, só queria dizer que não quero que Mogi, cidade que AMO PARA O EXTREMO E ROLIÇO CARALHO, seja vítima de fogo amigo. Quando o Zelenski disse que considerava Seamus como "banda participante da cena mogiana", vocês não imaginam que honra eu senti. Não deixem que comezinhas estraguem tudo, POR FAVOR!

Anônimo disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
Quem não tem argumento se acovarda em subjetividades! LEI?!!!
HAHAHAHAHAHAHA
Covarde é quem foge das idéias que chocam e revelam, a identidade fascista, conservadora e fraca em argumentos. Caio, o que você escreve, talvez só voc~e saiba ler. Meu, é difícil, heim!!! Caralho!!!
Acho que os ácidos da vida custeados pelos respectivos papais fizeram mal pra vocês. (Não vou falar o outro nome, se não a cana chega na minha goma-Mas que eu não sabia que a sua namorada tinha nome, eu juro que não sabia!- HAHAHAHAHAHAHA)
Parece o Tom Zé misturado com o Otto. Quem entende?! Só com lírio+cogumelo+chá-de-fita...
CADEIA NOS VAGABUNDOS!!! ISSO MESMO!!!!!! HAHAHAHAHAHAH
Tô cagando e andando! Vou postar em anônimo e foda-se! Brigue com a minha idéia. CUSÃO!

Anônimo disse...

Pau no CÚ da CENA.


ASS:NAME IT YOURSELF

Kill disse...

Caio, como eu havia dito, eu não sou de discutir assuntos que eu acho que não vão me acrescentar muito [este caso não conta]... se eu acredito que não vou levar uma coisa adiante, nem me envolvo... e é por isso que bato na tecla do "não me importo".
de qualquer forma, minha opinão de que é uma panela, querendo ou não, é a opinião da maioria [que não tem peito pra dizer as coisas que pensa] e, sendo proposital ou ocasional, tanto faz, é apenas, um fato.
sempre que eu posso, dou uma parte da minha cesta básica pra ela, mas não sou boa em alimentar os famintos, como pode perceber... vamos esperar esses anos aí pra ver se o Fome Zero resolve... hahahaha


Ai caralho, eu tô achando isso tudo cada vez mais engraçado...

caio costa amaro disse...

Então Kill como seria o ideal para você? Como faríamos para que se tornasse uma panela? Apesar de discordar da sua opinião gostaria que da sua opinião sobre o ideal da cena!

O que faria de diferente?

caio costa amaro disse...

corrigindo a fase acima ¨para que não se tornasse uma panela¨

M.E.M.O. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
M.E.M.O. disse...

Então, acho que direta ou indiretamente estou envolvido com o que está rolando por cá nessa discussão. Bom, acho também que "historiografias" não são o caso agora... todos gritam por colocar a própria identidade no lance, TODOS merecem estar entre o que já aconteceu nessa província, para o bem e para o mal, é um exercício necessário para resistir ao massacre da nulidade, o tempo é cruel.

E por falar em tempo, após meses de silêncio, nós lá do CAMPUS VI pretendemos retomar as atividades. Estamos com a ideia de fechar os finais de semana a partir da segunda quinzena de junho e estender por todo o mês de julho...
Já demos início com a correria atrás das bandas, selos, dos equipamentos, da estrutura enfim.

Acho que todos aqui devem fazer uma ideia de como rola no CAMPUS, pouca grana para investir, muita vontade de fazer virar, muito tempo doado, muito trabalho doado... tudo em nome de uma coisa que não sabemos nomear, mas que sabemos que existe.

É foda é poder estar nisso, acompanhar o surgimento de algumas bandas, o crescimento de outras, o encontro entre pessoas, essas coisas que permeiam diretamente os "sons", seja na Divina, seja no Dezembro, seja no CAMPUS, no Cuba, enfim, nos situam como agentes de nossa pequena história, que jogam no lixo alguns preceitos "fracassomaníacos" que sempre enxergam defeito em tudo...

O que temos que deixar claro são os objetivos. Estamos nos esforçando para criar uma rede de contatos para fazer o lance girar, tanto para as bandas locais como para nós mesmos como pretenso "selo". E acreditamos que a coisa tem que funcionar assim, cada um defendendo o seu interesse, desde que honestamente, sem atropelos, como já vinha acontecendo, há esse espaço para a convergência, temos que explorá-lo.

Fico por aqui, esperamos poder contar com a boa vontade dos de sempre, vamos chegar, vamos somar...

Kill disse...

Então Caio, minha resposta pra sua pergunta é fácil: TUDO! Eu faria tudo diferente de você, certamente.
Primeiro, que se eu fosse fazer um festival não seria por despeito por terem roubado uma idéia minha em outro Estado ou coisa do tipo, não sou mimadinha; segundo que, ao contrário de você eu iria SIM correr atrás de bandas novas pra tocar, como qualquer BOM organizador faz, ao invés de esperar chover material nas mãos... em terceiro, e último, eu não abriria sorrisos amarelos, que são os que mais me irritam.
Engraçado você comentar por aí que eu te trombei na Virada Cultural e não comentei nada sobre essa discussão com você, pois eu pensei a mesmíssima coisa... eu não tinha motivo algum pra tocar nesse assunto, afinal, nunca levei pro lado pessoal [não sei se já mencinei mas, não sou mimadinha] e se você queria tanto discutir isso pessoalmente, que tocasse no assunto você. Eu não fico falando isso ou aquilo de você por trás, então, esperava que na altura dos seus quase trinta anos bem maduros aih, você tivesse a mesma dignidade que eu de falar o que pensa pra própria pessoa. Não precisa se enfurnar em festinha de amiguinhos pra falar da minha vida [coisas do tipo minha relação com o Caio, irmão do André, que não tem realmente NADA a ver com você] ou ficar reclamando do que eu falo; assim fica fácil, entre amigos, que não querem te deixar chateadinho e vão concordar com qualquer coisinha que o tio disser... se antes eu não tinha levado pro lado pessoal, considere um ponto nessa situação. Achei realmente patético ter que saber de outras bocas o que você diz que pensa... eu faria questão de dizer o que penso de você, e que nunca saí espalhando aos quatro ventos, na sua própria cara, mas, não tive muitas oportunidades, porque ou você estava muito louco pseudofilosofando em vão ou eu estava fazendo algo mais importante, tipo, cuidando da minha vida...
Realmente é patético ter que ouvir que o "criador da cena mogiana" e "excelentíssimo artista e culto" Caio Amaro se comporta como um moleque de primário falando mal do amiguinho que ganhou uma bola de futebol nova... patético. Perdeu ponto geral, acabou o jogo pra mim.



Desculpa aí galera se eu mudei totalmente o foco das coisas aqui, mas é que eu não pude ir numa festa falar mal dele, então fiz minha própria festa aqui. =]

Anônimo disse...

sabe o que eu acho mais bacana que os anonimos se enterraram tanto em me xingar, xingar minha querida amabilissima, ou qualquer tipo de falta de inteligencia exposta, a propria discussão textual criou vida e desligou a atenção a esse coitados possuidos, gente carregada, só uma pagelancia bem forte adianta nesses casos...
vcs jamais participariam de um roda-viva...vcs seriam cortados do ar, por pura burrice...
sabe aquela vergonha alheia por existir gente que grita "cusonnnnnnnnnnnn, ai que medonnnnn"...pode escrever,xingar a la vontê...
a idéia de vcs se auto-exterminou, entrou para o grupo da não-existencia...
E que viva a paz na terra e no coração dos homens....
hey man(para não dizer amem!)

alê o anonio disse...

seis viram que coisa loca, bixo, que suwel, que onda, que piração, só gente pirada no pico!!!huhuhu surf na véia!!!!
eu virei um anonio(anomino)hahaha
no comentario acima...o poder de ser e não ser...
tupi or not tupi..essa é a babaquisse!!!!

caio costa amaro disse...

De boa KIll, isso é um surto, nunca falei nada da sua vida pessoal, até pq acho pouco atrativa (para mim), me fala quem disse isso td? Nos encontraremos e vamos tirar isso a limpo, valeu senhora da razão, faria td diferente mas não fez, fácil assim.

caio costa amaro disse...

Viva a teoria, na teoria td é possível, na teoria se come merda...kkkkkkk....estou aguardando isso td na prática, até mesmo desse pessoal que suplica paz e foco neste assunto...kkkkk...vamos que vamos que esse ano ainda tem mais!

E para vc Kill qdo deixar de preguiça e realmente mostrar algo que preste voltamos a conversar, sua banda é boa mas vc estraga tudo, e depois eu que sou mimado, abre olho menina!

Anônimo disse...

que povinho mais chato! que discussãozinha mais vazia! um bando de mogianos caipiras querendo ser "cult" e tentando escrever com palavras dificeis hahahahaha
se matem!

Anônimo disse...

E ninguém fala que o dono desse "projeto" de blog é o mais hipócrita de todos, um péssimo escritor, que quer ser amiguinho de todo mundo, fala mal de todo mundo pelas costas, e quer se promover às custas dos outros. Um bosta, resumindo.

e se apagar é pq além de tudo é cusão.

Nelsinho disse...

ainda rende assunto isso aqui heim....
sem colocar a cara fica fácil! quero ver ter opinião msm, tem medo de se indispor com alguém???