domingo, 24 de janeiro de 2010

Pilão

Eu nunca fui muito próximo do Pilão. Mas mesmo assim, quando soube da notícia de seu falecimento, a tristeza e o espanto foram imediatos.

Conversei algumas vezes com ele, principalmente sobre a cena (atual e passada), era fã de suas bandas (somente vi tocar Polite e, mais recentemente, o BDE. Não tive a chance de conhecer o Sangue de Rua).

Reconheço, sempre reconheci, a importância dele na cena de Mogi, pra cena ser o que é hoje (não estou falando que ele criou a cena, nem nada, para não retomar uma discussão polêmica).

É isso. Sem demagogia nem nada, vamos continuar fazendo o som e não deixar que nenhum esforço para a cena rock de Mogi crescer tenha sido em vão.



Abraços a todos!
Zelenski, ao som de Vaselines.

5 comentários:

GiGi disse...

A tristeza e o espanto também me pegaram pelos pés!
=(

Regis Vernissage disse...

o legado dele não será deixado em vão!

Vini disse...

Claro que o Pilão não criou a cena. Mas ele foi a liderança, o cara que inspirou as pessoas a fazerem elas mesmas. Ele foi uma semente multiplicadora. Pretendo em breve escrever sobre isso.

Vini

Vini disse...

E obrigado pelo comentário sobre ele.

Pablito disse...

Conheci o Pilão na época do Patusca Bar na década de 90,nos tornamos amigos e tomamos muita cerveja juntos.Uma perda inestimável para todos nós!