quarta-feira, 10 de junho de 2009

Leituras para o feriado

Olá, para todos.

Hoje temos duas colaborações fodas no post: Régis, do Somata, com a resenha do álbum Trovas de Amor e Escárnio, da falecida banda Motocontínuo, e Lucas, do Vício Primavera, com a segunda matérias sobre guitarristas, desta vez entrevistando o André, ex-Menteca e atual Give-me a Break.

Divirtam-se!

****

Trovas de Amor e Escárnio
by Regis Vernissage


Arrisco dizer que o Trovas de Amor e Escárnio trata-se do CD não lançado mais legal dos últimos tempos! Que fique claro aqui que o “não lançado” dito acima se refere logicamente à forma física que corresponde, no caso, ao velho e modorrento compact disc, afinal de contas é sabido hoje em dia por todos que, com a derrocada das majors e com a migração dos games para o formato “download”, o CD virou item de antiquário, coisa de gente velha que achava que a tecnologia digital do CD seria por tempos o melhor e mais moderno meio de se armazenar informações. Oh, doce ilusão...

Enfim, falemos sobre o Trovas independentemente do seu formato. O gênio criador por trás desta obra atende pela graça de Guilherme Padovani. Compositor de mão cheia, praticamente todo o conceito da obra (letras, melodias, arranjos) é de sua responsabilidade. E como talento realmente parece não faltar neste rapazola, ele armou um time da pesada para acompanhá-lo neste breve espaço de tempo que o Motocontínuo teve para a divulgação desta obra. Marcelo e Rodrigo (guitarras), Ju (teclado), Bruno (bateria) além do próprio Gui no baixo e vocal, foram os responsáveis por este meteoro fuzzístico chamado Trovas de Amor e Escárnio.

No total são 15 sons e o que parece ser de uma enorme pretensão já cala logo de cara quem nada havia entendido até então. O Lírico O Amante O Vil e O Cão, A Dança do Acaso e Lamento e Bang-Bang de Quinta às 21h, desde já 3 clássicos irretocáveis, são rockões foderosos que mesclam grooves, melodias quebradas, gritaria grunge, não-refrões, guitarreira fuzz, swingues tropicais, teclados oportunos e bateras soco-no-estômago. Foi bom pra você? Inclusive na Bang-Bang os vocais são divididos com o guita Marcelo. Extremamente foda que é a porra.

Passando a tontura da porradaria inicial, temos Qualquer Coisa Vulgar com sua atmosfera mezzo-robertão mezzo-gainsbourg, A Balada do Vilão Falido (genial!) e Bem Desejar-Te O Mal – sempre presentes nas últimas apresentações do Motocontínuo – a “instrumental cantada” 7, a ácida Doce Amargo (o teclado dá medo, na melhor referência horror movies) e a stoner rock bate-cabeças de nome singelo És Pintura e Poesia.

Sem pausa para respirar, mais fuzz ácido é despejado em nossos ouvidos com a sensacional O Bom e Velho Romance Moderno que fala sobre... bem, hehehe... Sonata Ao Acaso revela com clareza a intenção das músicas serem gravadas todas de prima (detalhe pro diálogo no final), seguida pela grooveria noise d’O Inimigo das Palavras, da insólita e bela Escondido Sob o Véu de Mistérios e Símbolos, da brasilidade punk-rock da Desapego, para então finalizar esta obra com a classe e o requinte da Derradeira Prece.

Os sons foram gravados, pra variar, no estúdio Overdrive do André (ex-Mentecapto) ainda em 2008 e a mixagem foi feita pelo próprio Gui em seu private-atelier.

Para os fãs mais assíduos, bitolados e histéricos, o Gui disponibilizou ainda dois remixes “trip-hop style” de faixas do Trovas que viraram A Dança do Lamento Ao Acaso e Mal Desejar-Te O Bem, que cabem muito bem como bônus tracks caso o indivíduo insistir em usar aquela jurássica mídia chamada compact disc para servir como armazenamento de áudio desta obra que já tem sua definitiva importância no que insistem em chamar por aí de cena mogiana.

Download do Trovas de Amor e Escárnio do Motocontínuo:
http://www.tramavirtual.com.br/motocontinuo
http://www.tramavirtual.com.br/motocontinuo
http://www.tramavirtual.com.br/motocontinuo

Esta banda fará muita, muita falta.

PS: [Guimotoco mode ON] Na verdade as músicas são uma bosta, a banda é zoada, a arte é horrível, o baixista é uma mona, canta mal pra caralho, a mixagem é lixuda e eu quero é que eles vão todos se foder! Mor bosta...

****

Entrevista com André
by Lucas

Bom, seguindo a diante com esse papo de entrevista, resolvi trocar uma ideia (sem acento por causa da reforma) com um cara de suma importância para a cena musical de Mogi e região : André Marques. Esse cara não é só responsável pela gravação de uma porrada de banda por aí, como também é atuante na cena com bandas de peso como MENTECAPTO e GIVE ME A BREAK.

Bom , sem mais delongas , segue abaixo a entrevista que fiz com o André.

• Nome e Idade.
André - praticamente 27 (11 de junho)

• Quando e como começou?
Comecei em novembro de 1996, com 14 anos. Eu não pensava em tocar nada, até uma porrada chamada RAIMUNDOS me atingiu e mudou TUDO. Lembro de ouvir pela primeira vez "Eu quero ver o oco".

Eu nem era roqueiro, nem curtia música ainda, mas aquilo me atingiu de uma forma que não conseguiria explicar. Sem zueira, foi um orgasmo ouvir aquilo. Um mês depois, eu já tava tocando guitarra, várias músicas do Raimundos, e totalmente imerso no mundo do Rock.

O resto é história. Até hoje tenho uma admiração monstra pelos caras, em especial pelo Rodolfo.

• Primeira Guitarra.
Uma Golden com um desenho de uma caveira. Não faço idéia o modelo, na época eu chamava
de "guitarra modelo metal"... hehehehe...

• Guitarra que usa.
To usando uma Gianinni Supersonic, modelo Jaguar, MARAVILHOSA! A guitarra não é minha, é do Guilherme Motoco. Pois é, to sem guitarra, hehehe.....

• Guitarra dos Sonhos.
Uma Gibson Firebird vermelha com tudo original; é o sonho supremo... vai rolar em breve !

• Primeiro Amplificador.
Um Staner modelo Kute 16. Era um amplizinho de 16 watts com uma distorção boqueta.

• Amplificador que usa.
Uso um Peavey Bandit 112. Na minha opinião, é disparado o melhor ampli transistorizado. Mas é só um quebra galho.

• Amplificador dos sonhos.
Não tenho certeza, mas se pudesse escolher um, muito provavelmente seria um Mesa Boogie. Não sei qual modelo, mas talvez um dos anos 80. Preciso de um ampli que não sature.

• 5 Bandas e 5 Guitarristas.
- Iron Maiden
- The Strokes
- The Mars Volta
- Slayer
- Cacophony

- Omar Rodriguez-Lopez
- Michael Romeo
- Ritchie Blackmore
- e os melhores e mais pirados guitarristas que já existiram: Jason Becker e Marty Friedman... O que esses dois fizeram, ninguém mais faz.

• Palco e evento que sonha tocar.
Qualquer buteco podre de qualquer lugar da Europa.

• Efeitos que usa.
Em ordem :
- Afinador Behringer (porcaria)
- Tube King (dist)
- Small Stone (phaser)
- Big Muff (carniça)
- Booster Melowtone
- Delay. Falta muuuuita coisa ainda, hehehe...

• Efeitos Favoritos.
Delays diversos e inversos, Oitavador, Synthetizers da vida e Phaser locão. Mas o efeito mais foda de todos é o Big Muff. O problema é que pra ele falar de verdade, é preciso um ampli monstro pra segurar o B.O., pois o bicho é cabuloso meeeeeesmo.

• Defina sua pegada em no máximo 3 palavras.
Força, dor e Death-Metal.

• Eu disse 3 André... hehehe...
Põe Death-Metal como uma só.

• Beleza... Técnicas.
Muitos bends e riffs trava-dedo. Gosto muito de fritar e improvisar em cima de escala nenhuma, sem nenhuma ligação com nota, tempo e padrão nenhum. Geralmente sai uma droga, mas é essa a idéia.

• Você é guitarrista de qual banda?
De uma banda que ainda não tem nome, hehehe...

5 comentários:

guimotoco disse...

opa meus lindos, adorei tudinho (principalmente o guimotoco mode ON hahahaha)
apenas como errata, a música 9 do album chama-se És pintura e sinfonia
;)
sobre o andré, eu já durmo com ele todo dia e já sabia mesmo ;P
foda lucas!!!
bjos!

Regis Vernissage disse...

corrigido: És Pintura E Sinfonia...
mas foda-se o nome, o som não deixa de ser ruim!! kkkkk...

Lucas Vício disse...

Valeu por postar mais uma vez o lance aí Z !!

Por mais que seja uma "punhetagem" que nem dizem certos anônimos aí... isso vai servir para ,no mínimo, darmos umas risadas mais pra frente!
abraço galera !

vício primavera disse...

PARABÉÉÉÉÉÉÉÉNS ANDRÉ !

fernando lalli a.k.a. bôe disse...

Parabéns atrasado, Andrezããão! [Leia com a voz do cara do Molejo, hahahaha!]

Grande abraço!